Blog Instituto Mix
Escrito por Instituto Mix Tempo de leitura: aproximadamente 4 minutos.

 

A pergunta que muitos profissionais estão fazendo neste momento é sobre como será trabalhar daqui para frente. O home office, salvação de muitas empresas neste cenário de pandemia, continuará sendo uma tendência?

Estudos comprovam que sim! O home office se mostrou eficiente em algumas situações e trouxe novas possibilidades para os profissionais. Porém, atrelado ao home office, que é o trabalho remoto, vieram alguns problemas comuns sobre a questão “trabalho x casa”.

Afinal, todo mundo pode fazer home office? É possível separar o “trabalho e o lar” dentro de casa?

 

Home office não é para todos!


Existem, obviamente, atividades em que o
home office não é possível nem plausível, como em trabalhos manuais, que envolvam manuseio de equipamentos, reabastecimento, construção, entre tantas outras atividades que a presença do ser humano faz parte do processo de produção e logística.

Por outro lado, existem aquelas profissões em que tudo o que você precisa é de um computador com algumas ferramentas específicas, celular e uma boa internet. Nestes casos o home office é sempre bem-vindo. Mas, quanto ao convívio social?

 

O grande X da questão?


O quão prejudicial pode ser, num futuro pós pandemia, o
home office? Tendo em vista a perda de contato humano, interação social com pessoas em outros setores, o ato de sair de sua casa todos os dias, mesmo que seja fazendo o mesmo trajeto, ainda assim, todos esses fatores, são experiências que em tese não mais existem em um home office.

O que pode ajudar, segundo especialistas, nos quadros de ansiedade, depressão, sentimento de solidão e outros problemas psicológicos para os profissionais que tendem, cada vez mais, evitar sair de casa e ter contato com outras pessoas.

Mesmo assim, de acordo com pesquisas recentes divulgadas em publicações como a Pequenas Empresas & Grandes Negócios, quase 80% dos profissionais dos mais diversos segmentos nos Estados Unidos irão trabalhar de forma remota até 2028. E o que costuma acontecer por lá, ocorre rapidamente como reflexo em outros mercados.

Neste quadro de home office “irreversível” para profissionais que desempenham atividades compatíveis com essa modalidade, alguns cuidados terão que ser observados pelas empresas que optarem por trabalhar com colaboradores que atuam remotamente, principalmente quanto à saúde mental e à inteligência emocional.

 

Feedbacks terão que ser constantes em home office


Com a falta de “contato físico”, aquele olho no olho, líderes e demais colaboradores terão que redobrar os laços de confiança e os
feedbacks. Em um ambiente empresarial físico os colaboradores trocam elogios entre si, há críticas construtivas, têm a oportunidade de darem conselhos profissionais aos colegas, há uma interação maior entre todos os setores.

No home office há a dependência total do telefone, da internet e da visualização, ou não, das mensagens enviadas aos colegas. Sem saber a reação dos demais colaboradores aos trabalhos e projetos elaborados, cabe à empresa melhorar significativamente a comunicação interna entre os colaboradores, dando feedbacks diários dos trabalhos realizados, não apenas cobrando ou acompanhando os processos, mas elogiando constantemente as conquistas e boas ações realizadas.

O sentimento de exclusão gera ansiedade e deixa o profissional inseguro quanto a sua análise de pertencimento a equipe em que está inserido. Estando em casa, longe do ambiente empresarial, o colaborador não tem como “medir a febre” do seu trabalho, por isso os líderes terão um papel fundamental nessa comunicação de fortalecimento dos laços empresariais dos colaboradores, fazendo-os se sentirem pertencentes àquela empresa em questão e valorizados.

 

Saiba balancear home office e qualidade de vida!


O trabalho
home office pode causar estresse emocional ao colaborador. Para algumas pessoas o trabalho remoto parece ser um paraíso, mas para outras um cárcere privado. Em ambos os casos é bom colocar as coisas na balança.

Começando pelo espaço. Não trabalhe em ambientes comuns da sua casa, em que outras pessoas da família circulam. Dê preferência para um espaço “escritório”, em que você entra ali para trabalhar e se desligar dos afazeres da casa.

O confinamento em casa pode estressar mentalmente os colabores em um nível altíssimo, fazendo seus rendimentos caírem pela metade, ou mais. Nesses casos, mais que bonificações ou promoções, é importante ter days off, dias de folga para que colaboradores, ou até mesmo os empresários, possam limpar a mente e dar uma respirada.

Vivemos em um novo momento de nossas vidas pessoais e profissionais, estar atento a todas essas mudanças trará reflexos positivos na sua vida e na sua rotina. 

 

Powered by Rock Convert
O que achou do artigo?
Quer receber mais conteúdos como esses gratuitamente? Cadastre seu e-mail e receba nossos conteúdos!